quinta-feira, 14 de julho de 2011


Mercado de óleo e gás ‘recicla engenheiros'



Profissionais formados em engenharia, mas com experiência em outras indústrias, passam a ser aproveitados pelo setor

Para muitos engenheiros, a palavra do momento é de reinvenção. Como o mercado está aquecido e carente desse tipo de profissional, muita gente pode aproveitar a oportunidade para "reciclar" a carreira e migrar para setores com grande potencial de expansão, como o de óleo e gás.

Fornecedoras e parceiras da Petrobrás já começam a olhar com mais atenção para profissionais bem formados, mas com experiência em outras áreas, como alternativa para suprir a constante demanda por mão de obra.

Além da dificuldade em encontrar as pessoas com a experiência específica, há outro motivo para a busca de engenheiros dispostos a mudar de área: o custo. De acordo com Luiz Eduardo Rubião, sócio da Radix, empresa de projetos de engenharia e software, quando a área de recursos humanos se limita a buscar o trabalhador com larga experiência em um determinado setor, é provável que terá de pagar bem mais caro por ele. "O RH mais arrojado sabe identificar o potencial. E o treinamento para a função pode ser feito dentro da empresa", explica.

Embora tenha pouco mais de um ano de mercado, a Radix já nasceu com uma universidade corporativa para atender justamente a esse tipo de demanda. Com faturamento de R$ 20 milhões e 200 engenheiros contratados, a companhia tem a maior parte de sua receita concentrada no setor de óleo e gás.

Para Rubião, o profissional disposto a mudar de área deve deixar isso claro no currículo, buscando mostrar sua possível contribuição para o novo setor. "É preciso dar um caráter generalista às habilidades, para que possamos entender o que candidato sabe fazer."

A engenheira química Juliana Saraiva, de 29 anos, acabou de ser contratada pelo escritório de Belo Horizonte da Radix. Com sete anos de experiência na área de produção em indústria de cimentos (na multinacional suíça Holcim) e em uma unidade de produção de sabonetes da Unilever, ela hoje desenvolve projetos pela Radix para otimizar processos industriais das mais diversas áreas, incluindo óleo e gás e siderurgia. "Recebimento de matérias-primas, definição de esquema de produção, escala de funcionários e medidas de segurança são tarefas comuns a todas as indústrias. O que muda são detalhes específicos", explica.

Valorização. A Chemtech, empresa de projetos que fatura R$ 250 milhões por ano e tem mais de 1,2 mil funcionários, também valoriza o profissional disposto a trabalhar em diferentes segmentos. Segundo a diretora de recursos humanos da empresa, Daniella Gallo, isso ocorre porque, embora a empresa trabalhe com projetos por tempo determinado, a equipe tem contratos fixos. Logo, é preciso que o trabalhador esteja disposto a desempenhar diferentes papéis para que a relação com a Chemtech funcione no longo prazo. "A flexibilidade tem de ser do próprio profissional. Caso haja essa disponibilidade, a empresa dá apoio com treinamentos."

Para os engenheiros que buscam espaço no setor de óleo e gás - que concentra cerca de 80% dos trabalhos da Chemtech -, Daniella diz que a principal medida do engenheiro em busca de uma vaga deve ser especificar bem as áreas em que tem interesse em atuar, mesmo que não tenha experiência relevante nelas.

"Cabe ao RH pensar diferente e identificar também o perfil comportamental do candidato. Para nós, não é só uma questão técnica. Mas é preciso ressaltar que isso não se aplica à maioria das empresas, que veem a contratação de forma mais imediatista", afirma a executiva.

Outra forma de os profissionais ganharem relevância na hora de buscar uma vaga em um novo segmento é por meio da educação. No Senai do Rio, já são oferecidos oito cursos de pós-graduação para engenheiros que procuram se especializar no setor de óleo e gás.

Segundo o coordenador técnico do Instituto Senai de Educação Superior (Ises), Caetano Moraes, entre os profissionais que buscam essa migração de carreira atualmente estão engenheiros que hoje trabalham em empresas de telecomunicações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário